quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Deputado Peninha(PMDB-SC) e sua farra do dinheiro público com comida


                  

Se você acha que é necessário um valor mínimo para a corrupção, então não leia este texto. Mas, se você considera qualquer desvio de finalidade do erário público um ato lesivo à sociedade brasileira, então leia e, por fim, assista ao vídeo abaixo.

A Câmara Federal instituiu em 2009 a CEAP – Cota para o exercício da atividade parlamentar. Esta cota prevê o pagamento de dezenas de tipos diferentes de despesas que os deputados podem fazer para auxiliá-los no árduo trabalho legislativo.

Uma das despesas reembolsáveis por esta cota é o fornecimento de alimentação do parlamentar. Alguém teve a incrível ideia de não conceder aos parlamentares o Vale-Refeição como é concedido a tantos funcionários públicos e de empresas privadas. No lugar, ficou estipulado que o deputado é livre para utilizar até toda a cota mensal a que tem direito para pagar despesas em restaurantes. Como ele não pode usar desta cota para bancar despesas de acompanhantes, puxa-sacos e afins, muitos tentam ludibriar a Câmara com notas fiscais de emissão manual, onde a descrição é genérica, mas que compreende as despesas de duas ou mais pessoas. O resultado é que há notas com valores superiores a R$ 200 de estabelecimentos que não é possível a uma só pessoa gastar mais que R$ 40,00.

Além disso, o descaramento dos membros da Bancada dos Comilões é tão grande que é possível verificar a onipresença de alguns que almoçam ou jantam em dois lugares ao mesmo tempo.

No vídeo eu relato alguns casos que envolvem o líder da bancada, Rogério Peninha (PMDB-SC). Para complementar o que está no vídeo, seguem alguns casos comprovando que o deputado, além de achar que #somostodosotários, consegue desafiar as leis da física estando em dois lugares ao mesmo tempo.

No dia 04 de fevereiro de 2015, o nobre senhor de paletó e gravata almoçou em dois lugares ao mesmo tempo:




Duas despesas simultâneas no restaurante do Senac localizado na Câmara Federal



O guloso almoçou duas vezes em doze minutos e em duas cidades diferentes de Santa Caratina



Em novembro de 2014 ele fez três fartas refeições cujos valores descritos em cada nota não correspondem a despesas de uma só pessoa. Assim como este exemplo, mais uma dezena de casos já foram levantados pela OPS.
Você verá no vídeo que a Galeteria Beira Lago é o restaurante preferido dos deputados, excetuando o Senac, localizado nas dependências da Câmara. Uma refeição completa e farta pode chegar a R$ 110,00. Porém, o serviço mais procurado do local é o conhecidorodízio de galeto. Por R$ 49,90 você come “até virar os olhos”.

Veja a relação das notas fiscais da galeteria apresentadas pelo deputado Peninha à Câmara e que foram integralmente ressarcidas a ele.
RELAÇÃO
Na legislatura anterior (2011~2014) Rogério Peninha gastou R$ 132.313,51 apenas com refeição. Em 2015 já pagamos a ele R$ 29.081,06. Os valores podem ser pequenos perto dos escândalos que infelizmente estamos acostumados a ver diariamente, mas isso não diminui a sordideza de muitos que deveriam ser os primeiros a respeitar a sociedade brasileira.