terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Mulher que invadiu Fla-Flu apoia Bolsonaro e quer devolver negros à África

         

"Em vez de cotas, deveriam dar passagens de volta pra África para aqueles que choram pelo passado que nem viveram", postou a moça, repetindo uma frase de um lutador do UFC


manifestante que invadiu o gramado do Estádio Mané Garrincha durante o clássico Flamengo x Fluminense, no domingo (21/2), é um hit do movimento ultraconservador de Brasília nas redes sociais.

Em seu perfil no Facebook, Kelly Cristina, 29 anos, tem 5 mil amigos. Em outra página, na qual divulga suas posições políticas, conta com 10 mil seguidores. 

A principal bandeira da manifestante, que mora em Santa Maria (DF), é o apoio à pré-candidatura do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) à presidência da República. Nitidamente crítica do Partido dos Trabalhadores (PT), ela também se posiciona contra o movimento femininista.

Em uma postagem de janeiro, repetiu a frase que o lutador do UFC Rony Jason escreveu em março de 2015: "Em vez de cotas, deveriam dar passagens de volta pra África para aqueles que choram pelo passado que nem viveram". Em fevereiro, publicou um vídeo no qual recebia apoio do ator Alexandre Frota.

Boletim de ocorrência
Após invadir o gramado, a mulher foi levada à 5ª Delegacia de Polícia, responsável pela região do estádio. Liberada depois de fazer um boletim de ocorrência, ela se disse "contente com o resultado parcial do manifesto" nas redes sociais.