domingo, 17 de abril de 2016

Agora a batalha é no Senado, a luta continua!


Em eleição indireta, a Câmara “escolheu” neste domingo (17) Michel Temer, novo presidente da República, e Eduardo Cunha, como vice.

Os deputados aprovaram esta noite a instauração do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Antes, porém, a decisão da Câmara será remetida ao Senado.
Os senadores formarão uma comissão especial com 42 integrantes. Produzirão um relatório para ser apreciado em plenário.

Caso o Senado decida pela instauração do processo, a presidente é intimada e afastada do cargo. Ela terá 10 dias para sua defesa.

A Presidência da República fica nas mãos de Temer e a Vice cai no colo de Cunha.

Aí, os senadores têm entre 160 e 180 dias regimentais para julgar Dilma. (Ela também pode ser absolvida a exemplo de Bill Clinton nos EUA).

Devido aos recessos regimentais, o processo será concluído no mês de outubro.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) comentou a aprovação da admissibilidade do impeachment: “Não se trata de ‘crime de responsabilidade’; apenas ‘recall’ de apoio parlamentar”.

Confira também, "Precisamos falar sobre Temer":