terça-feira, 5 de abril de 2016

CNMP determina demissão de procurador que acusou Lula



Por 12 votos a dois, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) determinou a demissão do procurador da República Douglas Kirchner, acusado de ter batido na ex-mulher sob influência de uma religião evangélica; ele é um dos responsáveis pela investigação que analisa se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva praticou tráfico de influência no BNDES; a defesa do procurador é feita pela advogada Janaína Paschoal, uma das autoras do impeachment, que se tornou um dos assuntos mais comentados do dia por causa do seu discurso "possuída" em ato a favor do golpe.

247 - Por 12 votos a dois, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) determinou a demissão do procurador da República Douglas Kirchner, acusado de ter batido na ex-mulher sob influência de uma religião evangélica. Ele é um dos responsáveis pela investigação que analisa se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva praticou tráfico de influência no BNDES.

A defesa nega as acusações e promete recorrer da decisão no próprio CNMP e, se necessário, até mesmo na Justiça. Segundo a advogada dele, Janaína Paschoal — uma das autoras do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff —, o procurador só será considerado demitido quando não houver mais possibilidade de recurso dentro do CNMP.

O relator do caso, o conselheiro Leonardo Henrique Cavalcante Carvalho, foi favorável à demissão de Kirchner, assim como outros 11 conselheiros. Eles entenderam que houve violência contra a ex-mulher do procurador. Apenas Walter de Agra Júnior e Esdras Dantas de Souza discordaram. 

Confira também, Mais uma vez Lindbergh humilha Aloysio Nunes e enterra golpe