terça-feira, 26 de abril de 2016

Confira as declarações absurdas do presidenciável Bolsonaro


No último domingo, dia 17, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), durante seu voto em apoio ao impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), homenageou o Golpe de 64 e o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, um dos maiores torturadores da Ditadura Militar no Brasil.
Por conta desses absurdos, declarados em plena Câmara dos Deputados (conhecida por todos como "Casa do Povo"), outros vídeos de falas de Bolsonaro começaram a circular nas redes sociais.
Em um, o deputado chega a defender um golpe de estado, caso fosse Presidente da República. Ainda diz que é favorável a tortura, e que a solução contra o crime é matar, mesmo não importando se alguns inocentes irão morrer. Ele ainda afirma que através do voto ninguém vai mudar nada no País, e sugere uma guerra civil.

Em outro vídeo, de quando foi entrevistado pelo Rafael Cortez, então do programa CQC - Custe o Que Custar, Bolsonaro afirma que apoiaria a volta da Ditadura Militar, e conclui que o período de 1964 a 85 foi "excelente para o Brasil". Ainda durante a entrevista, o deputado disse que já deu "uns sopapos" em uma mulher que "forçou a barra" pra cima dele.

Quando Bolsonaro começa a falar sobre homossexualidade vira show de horror. Em uma outra entrevista, o deputado afirmou que "ter filho gay é falta de porrada". "O filho começa a ficar assim, meio gayzinho, leva um coro, e muda o comportamento dele".