terça-feira, 12 de abril de 2016

Maior favorecido com blindagem de Gim Argello foi o DEM


Preso na nova fase da Lava Jato, o ex-senador Gim Argello (PTB-DF) foi acusado pelo dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, de ter atuado para enterrar uma CPI criada pelo Congresso para investigar a Petrobras no ano passado, da qual era vice-presidente, mediante a cobrança de pagamentos indevidos travestidos de doações eleitorais oficiais em favor de partidos de sua base de sustentação; a UTC repassou R$ 5 milhões a quatro partidos a pedido de Argello; o maior beneficiário foi o DEM, de José Agripino Maia, com R$ 1,7 milhão; mais R$ 1 milhão ao PR; R$ 1,15 milhão ao PMN e R$ 1,15 milhão ao PRTB; o falecido tucano Sérgio Guerra também teria cobrado em 2009 R$ 10 milhões para vender proteção, segundo o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa; em coletiva de imprensa nesta terça, porém, os procuradores disseram que em decorrência da morte do tucano, a apuração envolvendo o PSDB foi prejudicada, mas ressaltaram que a corrupção não é partidária no Brasil; segundo o procurador Carlos Fernando Lima, o sistema político brasileiro está "apodrecido"

247 - Preso na nova fase da Lava Jato, o ex-senador Gim Argello (PTB-DF) foi acusado pelo dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, de ter atuado para enterrar uma CPI criada pelo Congresso para investigar a Petrobras no ano passado.
Argello era vice-presidente da comissão, que aconteceu em 2014, e teria cobrado, em troca, pagamentos indevidos travestidos de doações eleitorais oficiais em favor de partidos de sua base de sustentação.
A UTC repassou R$ 5 milhões a quatro partidos a pedido dele. O maior beneficiário foi o DEM, de José Agripino Maia, com R$ 1,7 milhão, mais R$ 1 milhão ao PR, R$ 1,15 milhão ao PMN e R$ 1,15 milhão ao PRTB.
O falecido tucano Sérgio Guerra também teria cobrado, em 2009, R$ 10 milhões pra vender proteção, segundo o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, também delator da Lava Jato.
Em coletiva de imprensa nesta terça, porém, os procuradores disseram que em decorrência da morte do tucano, a apuração envolvendo o PSDB foi prejudicada, mas ressaltaram que a corrupção não é partidária no Brasil. Segundo o procurador Carlos Fernando Lima, o sistema político brasileiro está "apodrecido".
Gim Argello foi alvo da 28ª fase operação, que cumpriu hoje 21 mandados judiciais em Brasília, no Rio de Janeiro, em Taguatinga (DF) e São Paulo. A atual fase, denominada Vitória de Pirro, tem o objetivo de apurar as irregularidades na CPI do Senado e na CPMI que investigaram irregularidades na Petrobras em 2014.
Leia mais na reportagem da Reuters:
Sistema político partidário no país está "apodrecido", diz procurador da Lava Jato

(Reuters) - O procurador da força-tarefa da operação Lava Jato Carlos Fernando dos Santos Lima afirmou nesta terça-feira que o sistema político partidário do país está "apodrecido" e que a corrupção está espalhada por diferentes partidos, tanto da base governista como da oposição.
Segundo Lima, a nova fase da Lava Jato deflagrada nesta terça, que resultou na prisão do ex-senador Gim Argello (PTB-DF) por suspeita de tentar obstruir as investigações de CPIs da Petrobras no Congresso, mostra que a corrupção não é partidária e sim decorrente do sistema político.
Argello foi preso nesta manhã pela Polícia Federal por suspeita de que atuou para evitar a convocação de executivos de empreiteiras envolvidos no esquema de corrupção da Lava Jato para prestar depoimento a CPIs no Congresso, em troca de pagamentos a partidos políticos.
(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)