segunda-feira, 18 de abril de 2016

O show de horrores da Câmara em 7 charges e poucas palavras

Por Kika Castro, em seu blog

Estou sem palavras para definir o show de horrores a que assisti, por várias horas, na TV Câmara ontem à noite. Ou com tantas palavras, tão entristecidas e prolixas, que não ficariam bem em um post de blog. Mas acho que tanta gente boa já escreveu a respeito que não faria muita diferença eu escrever também.
Sobre Bolsonaro dedicando seu voto a um torturador — o torturador de Dilma Rousseff. Sobre Bolsonaro filho dedicando seu voto aos “militares de 64”. Sobre o voto emblemático da deputada Raquel Muniz (PSD-MG), que dedicou seu “sim” ao marido, Ruy Muniz, prefeito de Montes Claros que, segundo ela, faz o Brasil ter jeito, mas foi preso poucas horas depoissuspeito de corrupção (fraude na Saúde para favorecimento pessoal). Sobre outros nonsense que justificaram seus votos com coisas como “por todos os corretores de seguro”, “pela paz em Jerusalém”, “pela família quadrangular”, “pelo aniversário da minha neta” ou contra “proposta de que criança troque de sexo na escola” (veja mais pérolas AQUI e análises sobre elas AQUI). Sobre o xou da Xuxa que foi deputado mandando beijo pra mãe, pro netinho, pro sobrinho.
13055409_10204745354472614_4459878994929049084_n
Bom, tá aberto um precedente. Você pode votar em qualquer pessoa para presidente da República, inclusive uma mulher que nunca se envolveu diretamente em escândalos de corrupção, e seu voto pode ser derrubado por deputados patéticos sem que eles sejam capazes de apontar qual foi o crime de responsabilidade que a presidente eleita cometeuE eles podem colocar em seu lugar um cara que jamais seria eleito presidente por meio das urnas e que terá como vice um cara que comprovadamente mantém milhões de dólares em contas secretas na Suíça.
Mas, como eu disse, eu não ia escrever sobre nada disso. Não ia escrever sobre como já está quase certo que o Senado vai acompanhar a Câmara*. E como está quase certo que uma presidente da República que não cometeu crime será destituída de seu cargo até o fim deste ano. E como essa destituição é um risco para nosso sistema político e nossa democracia. Ou, nas palavras do Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro:
As alianças políticas, no presidencialismo, garantem a eficiência para legislar e governar, mas não substituem o apoio soberano representado pelo voto popular consignado à atual presidente. Não se pode trocar a soberania popular por um oportunismo político-partidário. (…) a organização do sistema constitucional brasileiro é clara e, por essa razão, definiu os limites legais para a efetivação de um processo de destituição. Ignorá-los afeta o funcionamento do sistema político e distorce a força e operacionalidade que devem ter a Constituição e as leis.
Nossa preocupação não é isolada, porque o sistema das Nações Unidas e a União de Nações Sul-Americanas (UNASUL) também dela compartilham. (…)
Deve-se julgar a partir da decência e da probidade pública os atos indecentes e criminosos e não o inverso.
Esse princípio será também essencial para a luta contra a corrupção que assola o país e que dever ser combatida até o fim. É do interesse de todos que a investigação chegue até suas últimas consequências.
A conscientização deve valer-se da verdade e da justiça; e a consciência política só é válida quando se expressa em conformidade com a institucionalidade em vigor no país.
(Clique AQUI para ler o documento na íntegra).
Foto: Antonio Augusto/ Câmara dos Deputados Foto: Antonio Augusto/ Câmara dos Deputados
Foto: Antonio Augusto/ Câmara dos Deputados
Foto: Antonio Augusto/ Câmara dos Deputados
Também não vou escrever aqui sobre como parte da culpa pelo que vivenciamos ontem é do PT, que se aliou ao PMDB para chegar ao poder. Colocou Michel Temer — a raposa –, para tomar conta dos ovos no galinheiro. O jornalista Lucas Figueiredo, em um texto brilhante, faz uma reflexão muito boa sobre a questão da corrupção, que muitos “inocentes úteis do ‘Fora Dilma’” pensaram ser o real mote do processo de impeachment contra ela. Vou dizer que é no mínimo inocente achar que colocar Michel Temer na presidência e livrar Eduardo Cunha da cassação (que é o troféu que ele vai ganhar de seus pares) sejam uma forma de lutar contra a corrupção.
Para uma coisa a votação de ontem pode ter servido: para apresentar a Câmara dos Deputados aos brasileiros, que talvez não tivessem noção do tanto que ela é ruim — provavelmente a pior da História. (Bom, isso supondo que os brasileiros em geral, tão despolitizados como são, tenham mesmo se dado ao trabalho de assistir a tudo ontem).Brasileiro tem por hábito jogar na conta do Executivo (prefeito, governador e presidente) todos os males do momento, esquecendo-se que o Executivo pouco consegue fazer sem o aval do Legislativo. Brasileiro vota pros cocos e, geralmente, se esquece de quem votou pouco depois (você ainda se lembra de quem foram seus candidatos a deputado estadual, federal e senador nas eleições de 2014? Sabe como seu deputado votou ontem? Condiz com o que você pensa?). Veja AQUI 15 infográficos analisando a votação dos deputados por partido, Estado, renda do deputado, cor, gênero, processos na Justiça etc.
Considerando que não vou escrever sobre nada disso, porque não tenho mais o que acrescentar e porque estou sem palavras — ou com palavras demais –, deixo vocês com ilustrações que, em poucas palavras, falam muito melhor que esta blogueira. As charges são autoexplicativas e começo pela minha favorita, do Duke. Boa segunda-feira (e boa sorte) a todos: