terça-feira, 3 de maio de 2016

O depoimento de FHC a PF e o silêncio da grande mídia

O contrato, o “professor” e torcedores do Vasco, que se juntaram aos dos Corinthians e Santa Cruz: central do golpe, a Globo protege FHC
FHC presta depoimento na PF. Mídia abafa
Nada de helicópteros, batalhões de repórteres, fotógrafos e cinegrafistas ou histeria na mídia.
Na sexta-feira (29), o ex-presidente FHC prestou depoimento na sede da Polícia Federal em São Paulo na investigação que apura a remessa ilegal de grana ao exterior para financiar as despesas da sua ex-amante Mirian Dutra, jornalista da TV Globo por 35 anos.
Da mesma forma como no passado a imprensa amiga escondeu o caso extraconjugal do “príncipe da Sorbonne” – que na época mantinha um casamento de conveniência com a antropóloga Ruth Cardoso –, agora ela tratou de abafar o depoimento.
A PF também agiu com discrição. Nada de vazamentos seletivos ou cenas cinematográficas. Mesmo sem ter foro privilegiado, o grão-tucano foi ouvido na sede da instituição.
Os jornalões evitaram escandalizar o assunto – afinal, FHC foi tão generoso em seu reinado com anúncios publicitários, subsídios e outras benesses. A Folha tucana publicou um relato frio e diminuto.
“O ex-presidente FernandoHenrique Cardoso (PSDB) foi ouvido nesta sexta-feira na Superintendência da Polícia Federal, em São Paulo, sobre as acusações de que ele teria usado uma empresa concessionária do governo federal para repassar dinheiro a jornalista Mirian Dutra para custear as despesas de educação de seu filho Tomás. FHC manteve um relacionamento com a jornalista nos anos 1980 e 1990 e, em 2009, decidiu reconhecer oficialmente a paternidade de Tomás – então com 18 anos”.
Ainda de acordo com a matéria, assinada pelo jornalista Walter Nunes, a Polícia Federal “investiga a suspeita de evasão de divisas desde que Mirian afirmou que os repasses eram feitos por meio de um contrato fictício de trabalho com a empresa Brasif, que explorava os free shops (lojas com isenção de impostos) de aeroportos brasileiros na gestão do tucano. O ex-presidente foi ouvido pelo delegado João Thiago Pinho, da Delegacia de Repressão aos Crimes Financeiros e Desvio de Verbas Públicas, de Brasília, das 14:20 até as 17:20 horas. O teor do depoimento está sob sigilo, já que o caso corre sob segredo de justiça. O ex-presidente foi acompanhado pelo advogado Sérgio Bermudes”.
Já o oligárquico Estadão foi mais recatado na descrição do episódio.
Informou apenas o depoimento à PF tratou de dois inquéritos envolvendo FHC.
O que investiga a remessa ilegal de dinheiro para a ex-amante Mirian Dutra e o que trata da suposta propriedade de imóveis no exterior, que não teriam sido declarados pelo ex-presidente à Receita Federal. A matéria registra ainda que o grão-tucano não saiu da PF pela porta da frente.
Usou a prerrogativa de ser ex-presidente para poder sair de forma mais discreta do prédio.
O jornal da famiglia Mesquita também destaca a defesa do advogado Sérgio Bermudes, que negou as acusações contra o seu cliente e garantiu que os recursos enviados ao filho provêm de “rendas legítimas”, depositadas em contas legais e declaradas à Receita.
Já o jornal O Globo, a rádio CBN, a Globo News e o Jornal Nacional – todos pertencentes à famiglia Marinho – prefeririam evitar confusão.
Afinal, a repórter Mirian Dutra trabalhou na empresa e – segundo afirmou em várias entrevistas – foi enviada ao “exílio” para evitar causar prejuízos à carreira política de FHC – o queridinho dos barões da mídia.
No começo de abril, em depoimento de mais de cinco horas na Polícia Federal, a jornalista confirmou que recebia cerca de US$ 3 mil mensais do ex-presidente. Ela garantiu que a grana era repassada em espécie.
Ela também confirmou os pagamentos da Brasif. Na ocasião, porém, Mirian Dutra preferiu não incriminar o poderoso Grupo Globo.
Agora, a famiglia Marinho retribui a gentileza. É melhor não mexer no vespeiro!
Confira também, conheça o passado do senador Perrella do Helicoca: