sexta-feira, 6 de maio de 2016

Por 15 votos a 5, golpe avança no Senado


247 - Os senadores da comissão especial do impeachment no Senado aprovaram nesta sexta-feira 6, por 15 votos a 5, o parecer apresentado pelo relator Antonio Anastasia (PSDB-MG), favorável ao afastamento da presidente Dilma Rousseff. Com isso, o golpe avançou mais um passo no Congresso Nacional.

Durante a sessão, os líderes do PP, Ana Amélia (RS), do PSC, Eduardo Amorim (SE), do PV, Alvaro Dias (PR), do PSB, Fernando Bezerra Coelho (PE), do PMDB, Waldemir Moka, do PSD, José Medeiros (MT), do DEM, Ronaldo Caiado (GO), do Bloco Parlamentar da Oposição (PSDB-DEM-PV), Ricardo Ferraço (ES), do PTB, Zezé Perrela, do PSDB, Cássio Cunha Lima (PB), do PR, Wellington Fagundes, do Bloco Moderador (PTB-PR-PSC-PRB-PTC), Magno Malta, do PPS, Cristovam Buarque, e do Bloco Parlamentar Democracia Progressista (PP-PSD), Gladson Camelli, apresentaram voto favorável ao relatório.

Ao votar "não", a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) criticou os "golpistas da Constituição" e comparou o atual processo de impeachment a uma "infração de trânsito" que é punida "com a pena de morte". A senadora Vanessa Grazziotin, do PCdoB, também apresentou voto contrário ao relatório, assim como o líder do PDT, Telmário Mota, o líder do governo, Humberto Costa (PE), e o senador Lindbergh Farias (RJ), na condição de vice-líder do PT.

Humberto Costa havia dito mais cedo em entrevista à TV Senado que o resultado da votação já era conhecido na comissão em que os integrantes "foram escolhidos a dedo". Assista aqui.


Confira também, Cardozo humilha Anastasia em resposta: