quarta-feira, 22 de junho de 2016

Dilma: ‘Agenda da esquerda deve ser defesa integral da democracia’


247 – A presidente eleita Dilma Rousseff concedeu uma entrevista exclusiva a Antonia Pellegrino, do Mídia Ninja, em que definiu como sua "maior prioridade neste momento" a defesa da democracia contra o golpe que está em curso e defendeu que a agenda da esquerda e das forças democráticas brasileiras vá na mesma linha.

"A maior prioridade neste momento é defender a democracia contra o golpe que está em curso. Ao agir para impedir a interrupção ilegal do mandato que me foi conferido pela população, estou defendendo, como é minha obrigação, a Constituição e o direito dos cidadãos e das cidadãs de escolherem, por voto livre e secreto, seu governante, e lutando para que o programa de governo vencedor nas últimas eleições seja efetivamente implementado", declarou.

Para ela, "a agenda da esquerda e das forças democráticas brasileiras, devido ao golpe, tem de ser uma defesa integral da democracia".

Dilma disse ver um comportamento misógino em meio ao processo de impeachment e faz críticas à imprensa. "Embora seja difícil mensurar o quanto, é inegável que proliferaram argumentos e comportamentos misóginos ao longo de todo esse processo de impeachment. Um olhar crítico sobre a imprensa brasileira vai encontrar matérias afirmando meu desequilíbrio, minha dificuldade em lidar com situações difíceis, e tratando de forma pouco crítica adesivos e panfletos machistas e inaceitáveis em um País civilizado contra qualquer mulher".

"Estar sob a liderança de uma mulher, receber comando de uma mulher, ser dirigido por uma mulher ainda é uma novidade que incomoda e perturba a ordem supostamente natural da sociedade em nossos países. No caso do Brasil, o estranhamento é ainda maior, pois eu fui a primeira a ocupar este cargo", observou a presidente. "Nossas sociedades somente serão mais justas se incorporarem a igualdade de gênero como um valor inquestionável", ressaltou.

Leia aqui a íntegra.



Confira também, Presidente interino Temer reconhece que há golpe: