quinta-feira, 16 de junho de 2016

Em festa animada por Tiririca, Renan confessa que quer cabeça de Janot


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, foi lançado à “fogueira” por senadores em uma festa junina organizada nessa quinta-feira pela senadora Kátia Abreu (PMDB-TO). De acordo com o jornal O Globo, o nome de Janot foi repetido à exaustão pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), alvo de um pedido de prisão negado da PGR negado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki. A festa foi animada pelo deputado Tiririca (PR-SP), que embalou os parlamentares cantando forró.

Outros senadores também criticaram a conduta do procurador-geral, cuja condução à PGR foi aprovada duas vezes pelo Senado. Renan, que analisa um pedido de impeachment contra o chefe do Ministério Público, mostrou aos colegas pelo celular uma notícia que, segundo ele, comprova que Janot “estimulou” o vazamento do seu pedido de prisão “de forma covarde”. “Mais de 20 políticos citados: manter sigilo de delação de Machado geraria crise entre Poderes”, dizia o texto exibido por ele.

“Essa notícia comprova que Janot está estimulando os vazamentos. Isso é uma irresponsabilidade. E como pede a prisão com base em flagrante armado, sem comprovação de materialidade e gravação de um chefe de poder com foro? Grampo de quem tem foro só é legal com autorização da Justiça. A gravação foi feita pelo Sérgio Machado para tentar dar materialidade às delações. Mas existe materialidade? Isso é um absurdo!”, protestou o presidente do Senado entre um gole e outro de uísque.

Na última segunda-feira, Janot pediu à Polícia Federal a abertura de inquérito para apurar a origem do vazamento dos pedidos de prisão feitos por ele contra Renan, o ex-presidente José Sarney (PMDB), o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o presidente afastado da Câmara Eduardo Cunha (RJ). Na sexta passada, o procurador rebateu em discurso duro a “maledicência” das insinuações de que ele estaria por trás do vazamento das informações.

Segundo relato da repórter Maria Lima, Kátia Abreu e Renan concordaram que o procurador-geral é “fraco”. A ex-ministra da Agricultura da presidente afastada Dilma Roussef lembrou ao peemedebista que ele foi apontado por Janot como chefe da organização criminosa delatada pelo ex-senador Sérgio Machado. “Eu não! O chefe era o Sarney. Logo o Sarney, que já está fora de tudo?”, contestou o peemedebista.

De acordo com o Globo, antes de seguirem para a festa de Kátia Abreu, Renan, o líder do PMDB Eunício Oliveira (CE) e o senador Eduardo Braga (PMDB-AM) passaram na casa de Sarney para acalmá-lo sobre as revelações da delação de Sérgio Machado.

Namorada e “golpista”
Conforme o relato do jornal, senadores que integram a tropa de choque da presidente Dilma Rousseff na comissão do impeachment pediram a intervenção de Renan para acalmar a tropa de choque governista ,principalmente os senadores Ricardo Ferraço (PSDB-ES) e Waldemir Moka (PMDB-MS) apontados como os mais brigões.

“O que está acontecendo com o Moka? Renan, você tem que arrumar uma namorada para ele. Está muito nervoso”, sugeriu a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). “Eu não!! Não arrumo nem pra mim. Pede pro Eunício arrumar, ele que é candidato a presidente do Senado”, respondeu Renan.

Segundo Maria Lima, Kátia Abreu tentou demover Renan da intenção de lançar nesta quinta-feira livro sobre a votação no Senado que aprovou o afastamento de Dilma, intitulado As 20 horas da História, contando minuto a minuto a sessão que entrou pela madrugada.

“Não! Cada página desse livro foi editada pessoalmente por mim para mostrar minha isenção como presidente do Senado. O Janot vive querendo me afastar então eu tenho que lançar logo esse livro. Eu gosto muito da Dilma. Vou levar o livro para ela de presente”, brincou o senador. “E ela vai tacar na sua cabeça”, devolveu a senadora. Renan também lembrou que foi questionado pelo neto Renzo, de nove anos, em razão do noticiário do impeachment: “Meu avô, é verdade que você é golpista?”


Confira também, Dep. Bessa quebra decoro parlamentar e chama presidenta Dilma de "vagabunda":