terça-feira, 2 de agosto de 2016

Queiroz Galvão pagou propina ao PSDB e justiça nada faz


O Globo - A nova fase da Lava-Jato vai apurar como a Queiroz Galvão pagou propina ao então presidente do PSDB e senador Sérgio Guerra, morto em 2014, em troca de uma operação para abafar a CPI da Petrobras, em 2009. A Polícia Federal teve acesso a uma reunião entre Guerra, o então diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e empreiteiros onde foi negociado o fim das investigaçoes no Congresso. O tucano é flagrado por uma câmera de segurança negociando o recebimento de R$ 10 milhões. Guerra afirma aos presentes ao encontro que trinha “horror a CPI”.

— Eu tenho horror a CPI, nem a da Dinda eu assinei. É uma coisa deplorável fazer papel de polícia, parlamentar fazendo papel de polícia — afirmou na época o tucano.

A reunião ocorreu no dia 21 de outubro de 2009. Além de Guerra e Costa, participaram da reunião Ildefonso Colares Filho, na época presidente da Queiroz Galvão, preso pela Polícia Federal nesta terça-feira, o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE), o lobista Fernando Soares (Fernando Baiano) e o executivo Érton Medeiros (representante da Galvão Engenharia).

Em troca dos R$ 10 milhões, Guerra informou que atuaria para que outros parlamentares do PSDB não aprofundassem as investigações e, assim, tivesse continuidade o esquema criminoso instalado na empresa estatal. O áudio e o vídeo da reunião foram obtidos pela Procuradoria Geral da República (PGR) e apresentados em junho.

— Nossa gente vai fazer uma discussão genérica, não vamos polemizar as coisas — disse Guerra.

Em outra parte da conversa, Paulo Roberto pede ao tucano ajuda no fechamento do relatório da CPI. Uma preocupação do ex-diretor era a Lei de Licitações, à qual a estatal não queria se submeter. Guerra respondeu:

— A primeira coisa é o seguinte, essa chamada CPI tem origem em vários movimentos, em várias origens, lá atrás eu conversei com algumas pessoas de vocês e dei um rumo nessa história, pro meu lado, né, como era pra ter todo o combate sem ir atrás das pessoas. Primeiro porque nós não somos da polícia, segundo porque eu não gosto disso. Terceiro porque acho que não construía em nada.


Confira também, Leandro Karnal - Escola sem partido? Nenhuma escola é neutra: