sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Aécio "Na minha avaliação, nem de longe esse episódio atinge o sr. presidente Michel Temer."

Resultado de imagem para aécio neves e Temer

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), criticou nesta sexta-feira (25) o fato de o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero ter gravado conversas com o presidente Michel Temer e outras autoridades do governo. O tucano avaliou o ato como “extremamente grave”.

Na manhã desta sexta, o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, pediu demissão. Calero acusa Geddel, e outros membros do governo, de terem feito pressões para que um órgão do ministério da Cultura liberasse as obras de um prédio em Salvador, onde o agora ex-ministro havia comprado um apartamento na planta.

O ex-ministro da Cultura prestou depoimento à Polícia Federal e informou que gravou conversas que teve com outros ministros e até com Michel Temer.Ele afirma que, nessa conversa, ele foi "enquadrado" pelo presidente da República em favor dos interesses de Geddel para liberar a obra em Salvador.

“Há algo extremamente grave que também precisa ser investigado”, afirmou Aécio. “Não acho adequado, não acho compreensível que um ministro de estado entre com um gravador para gravar uma conversa com o presidente da república. Não me parece algo ético”, completou.

Sobre a demissão de Geddel, o senador afirmou que a decisão contribui para o governo. “É uma decisão que permite que aquilo que é essencial tenha prioridade. O que é essencial é que o Brasil faça as reformas, volte a crescer”, afirmou, ao defender que é preciso sair “dessa agenda lateral”.


Lindbergh reúne juristas, há motivos para impeachment de Temer: