quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Alexandre Garcia: o porta-voz do ditadura que ainda tem voz

Resultado de imagem para Alexandre Garcia ditadura

O nome é Alexandre Garcia

No começo da década de 70, Garcia era um jovem jornalista à caça de uma oportunidade para se projetar. Percebeu-a ao trabalhar em Brasília, no Jornal do Brasil, na época de Ernesto Geisel. Mas sua chance de ouro apareceu ao ser convidado, lambe botas que era, para ser porta-voz de João Figueiredo, o último dos ditadores.

Sempre destacando os ''grandes feitos'' de seu herói, sem jamais noticiar ao povo brasileiro as torturas e mortes que aconteciam nos porões da ditadura, ganhou fama e projeção nacional.
Tanta fama, que logo após ter sido entrevistado pela incipiente revista Playboy, segundo Giovani de Morais e Silva em seu blog O Cachete, Garcia foi assediado pela publicação concorrente, a revista Ele & Ela, que queria, também, fotografá-lo. O próprio Alexandre narra o episódio em uma entrevista concedida, em agosto de 2006, a Marcone Formiga, do Brasília em Dia:

” Eu havia sido entrevistado para a “Playboy” e aí o Flavinho Cavalcante, na época da Bloch, disse que a “Ele & Ela” também queria uma entrevista. Só que maior, com fotos. Fui perguntar para o meu guru, o ministro Golbery, que respondeu: “Pode, sim. Vamos, em breve, tirar o Farhat. Vamos extinguir a Secretaria de Comunicação Social e queremos que você fique como secretário de Imprensa. Nada como dar uma entrevista para uma revista masculina para projetar mais o seu nome, para virar depois secretário de Imprensa”. Dei a entrevista, revisei, praticamente copidesquei.

Então aquilo que está lá é meu mesmo. O Flavinho me trouxe o primeiro exemplar que entreguei para o Figueiredo ler. O Figueiredo leu a bordo de um Búfalo em uma viagem a Pindamonhangaba. Até aconteceu uma coisa engraçada…Estourou um cano do sistema hidráulico do avião sujando as calças do presidente… Quando ele foi trocar as calças olhou para mim e disse: “É perigoso tirar as calças na sua frente”! (risos) Foi a única observação que ele me fez a respeito da entrevista.”

Na reportagem da Ele & Ela, que exibiu o jornalista deitado em uma cama, de cueca, cuidadosamente recoberto por uma felpuda toalha, Garcia revelou que era ali que ele “abatia suas lebres”, aludindo à locução cunhada por Carlos Imperial para referir-se às mulheres com quem mantivera conjunções lascivas.

Ficou envergonhado? O blogueiro também. Mas tem muito mais.

Garcia esquecera que trabalhava para um ditador afeito à censura. Pisou na bola e foi demitido.

Segundo Altamiro Borges, no blog do Miro, em 2009, em artigo publicado em vários jornais, ele defendeu na maior caradura os golpes militares em Honduras e no Brasil. Intitulado “Zelaya e Goulart”, o texto tenta desqualificar a atuação soberana e altiva da diplomacia brasileira na crise deste sofrido país da América Central.

Para o “jornalista”, que mais se parece um porta-voz dos golpistas, a política externa do governo Lula seria equivoca. “O Brasil insiste em ficar na contramão, considerando Zelaya presidente de Honduras. Insiste em dizer que houve um golpe”. Na sua visão direitista, que serve para justiçar atentados à democracia e mesmo torturas, assassinatos e censura, não houve um golpe, mas um “contragolpe”. E ele ainda tenta justificar seu raciocínio tacanho, de viés fascista.

Portanto, aí está. Esse é o homem.

Apresentador de telejornais da Globo, colunista de jornais e de rádios, Alexandre Garcia é uma figura de aparência respeitável, fala firme e boa dicção. Assim como outro da mesma laia, Arnaldo Jabor, possui uma legião de admiradores, fans de carteirinha, que não hesitam em publicar suas ''belas'' falas na internet.

Mais um indignado seletivo que não fala sobre a sonegação de impostos de seu patrão.


Mas agora, quando impeachloides e patetas que querem a volta da ditadura saem às ruas contra Dilma, Garcia percebe outra oportunidade: a da volta ao passado.

O jornalista mente descaradamente ao afirmar que Renato Duque, ex-diretor da Petrobrás, desviava dinheiro da companhia para financiamento de campanhas do PT. As campanhas foram financiadas pelas empreiteiras. As do PT, do PSDB, do PMDB, do PP, do DEM, do PSB, enfim, de todos.

Tem sido assim desde sempre. As empreiteiras só não financiavam campanhas dos militares porque não havia eleições. Mas começaram a enriquecer naquela época, pois os procedimentos não eram de forma alguma transparentes, e a corrupção era ainda muito maior. Bastava puxar o saco de um general, que qualquer obra saia, e superfaturada. Ninguém investigava mesmo...

Garcia também comete um crime, que deveria ser investigado pelo Ministério Público. Insufla o ódio entre os fascistas que querem a derrubada do regime, ao afirmar que os 53 milhões de brasileiros que votaram em Dilma são cúmplices do crime cometido.

Ora, cúmplices também são bandidos, e bandidos tem que ser presos. Mas, se não é possível que se prenda 53 milhões de pessoas, que se faça justiçamento, é o que ele quer dizer. Que todo e qualquer reaça saia batendo em quem votou em Dilma.

Estamos assistindo passivos, a jornalistas, em rede nacional, conclamando pessoas a bater em outras pessoas, somente por terem posição política diferente, jornalistas como Sheherazade, ordenando o justiçamento de suspeitos de crimes, pastores e políticos pedindo aos homens de bem que não tolerem homossexuais.

Meu consolo é que o jornalistazinho já está com 74 anos, deveria, como seus ídolos do passado, vestir o pijama e esperar o dia em que levará seu ódio e sua biografia para sete palmos abaixo do solo.


Meu desconsolo é que, no lugar dele já há outros mais novos.

Por Fernando Castilho


Leandro Karnal fala o que pensa de Olavo de Carvalho e Pondé