quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Após dia de manobras, Temer confraterniza com senadores, com direito a charuto cubano


BRASÍLIA — Em um jantar de confraternização de fim de ano considerado esvaziado por alguns dos presentes, cerca de trinta senadores se reuniram na noite desta quarta-feira na casa do líder do PMDB do Senado, Eunicio Oliveira (CE). O presidente Michel Temer foi um dos últimos a chegar ao evento, por volta das 22h45, e quase passou por uma saia-justa. Por pouco, o presidente não deu de cara com um grupo de senadores da oposição, que estava saindo do jantar.

Os senadores Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Lidice da Mata (PSB-BA) e Humberto Costa (PT-PE) saíram logo que Temer chegou. Costa não escondeu seu incômodo com a presença do presidente e admitiu que evitou encontrá-lo.

— Evitei esse desprazer para mim e para ele — disse Costa.

Descontraído, Temer fumou um charuto cubano oferecido por Eunicio. Ele ficou alguns momentos desfrutando seu charuto e conversando com Renan Calheiros (PMDB-AL) e Aécio Neves (PSDB-MG) em uma rodinha restrita.

Nos grupos paralelos, o assunto predominante foi a manobra de Renan. Alguns senadores consideraram "inacreditável" o presidente do Senado ter colocado o projeto das 10 medidas contra a corrupção para votação sem combinar com a maioria dos líderes e sem que o texto tivesse sido debatido no Senado. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também estava entre os convidados. Ele foi embora minutos antes de Temer, que deixou o evento à meia-noite.

Os líderes do governo no Senado e no Congresso, Aloysio Nunes (PSDB-SP) e Romero Jucá (PMDB-RR), foram embora pouco depois das 21h. Edison Lobão (PMDB-MA) também ficou pouco tempo no evento. Ele disse acreditar que o episódio ocorrido pouco antes no Senado, com a tentativa do presidente da Casa de votar as medidas contra a corrupção, não afetou o clima da confraternização.

— Não precisava ter pressa. Tem que ir primeiro para a CCJ, debater com mais vagar. A Câmara teve tempo para discutir esse projeto. Não vejo problema nenhum se deixar para votar ano que vem. Mas não acredito que isso vá gerar mal estar. Já está superado — afirmou, na saída do evento.

O líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO), sequer compareceu. Ele se disse incomodado com a manobra de Renan e achou que não havia clima para celebrar.

— Não vou porque o clima ficou ruim. Foi um grande desserviço para o Senado e até para o governo tentarem votar isso hoje dessa forma — justificou.

A presença do ex-senador José Sarney surpreendeu os presentes. Segundo o assessor especial da presidência Sandro Mabel, Sarney estava bastante disposto, caminhando entre as rodas de conversa e trocando ideias. Por muitos foi chamado de "professor", segundo Mabel.

Entre pratos de camarão ao molho branco, filé, salgadinhos, vinho e whisky, o clima era de descontração. Os cônjuges dos parlamentares os acompanharam no evento, o que, segundo alguns senadores, fez com que pouco se falasse sobre política.

O presidente do Senado foi um dos primeiros a chegar. Segundo relatos, estava bem humorado e contou piadas envolvendo o ex-presidente durante a ditadura militar Emílio Garrastazu Médici. Seus interlocutores, no entanto, não se recordaram do teor da blague.

Bem-humorada, Kátia Abreu brincou com o caso ocorrido na festa passada, em que jogou uma taça de vinho no colega José Serra.

— Hoje não desperdicei vinho em ninguém. Eles se comportaram bem — disse a senadora, que afirmou não ter conversado com Temer durante o jantar, com quem tem uma relação complicada.

Além dos senadores e do presidente Michel Temer, estiveram presentes os ministros Alexandre de Moraes (Justiça) e Dyogo Oliveira (Planejamento), o secretário do Programa de Parceria de Investimento, Moreira Franco, o ex-secretário de Segurança do Rio de Janeiro José Beltrame, além de amigos de Eunicio.

Os senadores contaram que, apesar da proximidade para a sucessão à presidência do Senado, o assunto não foi debatido durante o jantar.

— O Eunicio é candidato único, então não tem muita surpresa em relação a isso. Mas, hoje à noite falamos de amenidades — afirmou o senador Eduardo Braga (PMDB-AM).


Senadora Gleisi desafia senadores a cortarem benefícios