quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Delação da Odebrecht foi vazada, para ser anulada e tucanos ficarem impunes


Jornal GGN – A delação de Marcelo Odebrecht, ex-presidente da companhia, ocorreu nesta segunda-feira (12), na sede da Polícia Federal em Curitiba. Logo após da sequência de imediatos três vazamentos dos depoimentos de executivos da empreiteira, o relato de Marcelo foi realizado sob uma aparente tentativa de segurança, a fim de que não fossem vazados a jornais.

A reação da Procuradoria-Geral da República foi de mostrar preocupação com os vazamentos, que atingiram sobretudo a cúpula do PMDB e a grande base e estrutura do governo de Michel Temer. Mas nesta quarta-feira (14), a Folha de S. Paulo trouxe como manchete de capa trechos da delação do empreiteiro.

Naquela segunda, foram cinco os procuradores que acompanharam os relatos do empresário e, ao término da delação, evitaram dar detalhes de forma pública. O GGN levantou o perfil dos cinco investigadores e membros da força-tarefa que estiveram presentes, como se posicionaram até hoje com os meios de comunicação e suas defesas e manifestações públicas.


Requião: a ponte para o futuro virou uma pinguela para a Papuda