sábado, 10 de dezembro de 2016

Kennedy: PMDB e PSDB planejam reação contra MP


247 - As cúpulas do PMDB e do PSDB planejam reação contra o Ministério Público Federal por causa do mais recente vazamento de delações de executivos da Odebrecht, especialmente a de Cláudio Mello.

Por ora, a reação geral dos citados é dizer que todos os recursos foram recebidos legalmente e negar irregularidades. Nos bastidores, porém, a avaliação de caciques peemedebistas e tucanos é que esses vazamentos foram uma reação do Ministério Público Federal em retaliação ao acordo entre Senado, STF e Palácio do Planalto para manter o senador Renan Calheiros no comando do Congresso Nacional. O Ministério Público foi um dos perdedores nesse acordão.

De acordo com o jornalista Kennedy Alencar, PSDB e PMDB estão articulando uma pressão sobre o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal. Apesar de assinadas pelos executivos da empreiteira no acordo com o Ministério Público, as delações da Odebrecht ainda precisam ser homologadas por Teori.

O vazamento devasta os dois principais partidos de apoio ao governo Temer: PMDB e PSDB. A delação de Cláudio Mello, vazada na íntegra, causa dano aos principais políticos do PMDB. O governador Geraldo Alckmin, do PSDB, também sofreu desgaste com novos detalhes de executivos da Odebrecht. Alckmin se junta ao senador Aécio Neves e ao ministro José Serra (Relações Exteriores) nas citações da Lava Jato.

A classe política está assustada e acuada, mas planeja uma reação antes que Teori homologue as delações da Odebrecht. "Um importante peemedebista", segundo Kennedy, diz que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deveria ser coerente. Se desistiu da delação de Leo Pinheiro (OAS) por causa de um vazamento detalhado, deveria fazer o mesmo agora.


Ciro Gomes desmascara mentira de Temer sobre previdência