segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Lula não é dono do tríplex, afirmam mais quatro testemunhas

triplex

Revista Fórum - Mais quatro testemunhas ouvidas hoje (12/12) pelo juiz Sergio Moro na audiência da 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba negaram veementemente que o apartamento tríplex do Guarujá é ou foi algum dia de Lula. É o que afirma nota do advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Lula na ação.

Estes quatro depoimentos se somam a outras 12 testemunhas que declaram o mesmo. O apartamento, segundo as testemunhas, é de propriedade da OAS. De acordo com a nota, com mais esses testemunhos fica enterrada de vez a tese de que o triplex do Guarujá seria de propriedade do ex- Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Leia aqui a nota na íntegra.

Nota

O relato das 4 testemunhas ouvidas hoje (12/12) – e que se somam às 19 das audiências anteriores – pelo juiz Sergio Moro na audiência da 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba enterrou de vez a denúncia, amplamente alardeada pelos acusadores, de que o triplex do Guarujá seria de propriedade do ex- Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. À exemplo das demais testemunhas, Igor Ramos Pontes, engenheiro da OAS Empreendimentos resumiu, em seu depoimento, questões-chave há muito ressalvadas pela defesa de Lula:


  1. O apartamento é de propriedade da OAS;
  2. O ex-Presidente, sua esposa e seus familiares jamais usufruíram do apartamento e nunca tiveram em suas mãos a chave do imóvel  – ponto também ressaltado pela engenheira Mariuza Aparecida Marques, encarregada da OAS pela supervisão da unidade;
  3. Nenhuma das contratações alegadas de melhorias no imóvel foi ordenada por Lula ou seus familiares;
  4. Igor e Mariuza atestaram que Lula e sua esposa jamais assinaram o boletim de vistoria de unidade (BVU), documento imprescindível – de acordo com o procedimento da OAS – para a entrega de um imóvel ao seu adquirente;
  5. Mariuza diz que esteve muito mais do que 120 vezes no condomínio Solaris – entre 2014 e a presente data – e nunca viu Lula no imóvel, a não ser a única vez em que esteve na condição de potencial comprador;
  6. Igor diz que recebeu a informação da OAS de que houve a desistência da compra da unidade 164-A por parte de Lula e seus familiares.
Os depoentes foram unânimes em declarar que Lula foi tratado como potencial cliente e não proprietário na única visita que fez ao imóvel. D. Marisa Leticia e o filho Fábio, retornaram mais uma vez ao local, ocasião em que ficou claro que foram conhecer as reformas executadas na unidade por decisão da OAS para ver se despertavam o interesse de compra, não tendo nem nesse momento manifestando qualquer interesse pela aquisição do apartamento.

Cristiano Zanin Martins



Vídeo emocionante: desculpa, Dilma!