sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Investigação sobre morte de Teori exige distância de Temer, diz jornalista norte-americano

Brasília- DF 16-06-2016    Presidente interino, Michel Temer,  durante pronunciamento a imprensa. Foto Lula Marques/Agência PT

O jornalista norte-americano Glenn Greenwald publicou no site The Intercept, nesta sexta-feira (20), um artigo sobre a queda de avião que resultou, ontem, na morte do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki. Ele ressaltou que as causas do acidente precisam ser investigadas com rigor, uma vez que as circunstâncias políticas do país dão margem a vários tipos de interpretação sobre o ocorrido.


Greenwald frisou que o ministro estava a um passo de homologar os depoimentos dos principais executivos da empreiteira Odebrecht, alvo da operação Lava-Jato, e que essa atitude poderia comprometer membros do governo de Michel Temer.


O jornalista lembrou que o filho de Zavascki já havia relatado que a família sofria ameaças e que a conversa vazada entre o ex-ministro Romero Jucá e o empresário Sérgio Machado deixava explícito que o membro do STF era um obstáculo para os investigados, já que ele não se mostrava aberto a acordos.

Glenn Greenwald classificou como “perturbador” o fato de que Temer irá escolher o substituto de Zavascki no comando das apurações sobre a operação. Segundo ele, o peemedebista é “a pessoa que mais tem a perder” com o prosseguimento da Lava-Jato.

“É realmente do interesse de todos que seja conduzida uma investigação profunda, rigorosa e transparente sobre a queda do avião. Tão importante quanto, talvez ainda mais importante, é que não seja permitido que o presidente Temer atrapalhe ou prejudique as investigações de forma nenhuma”, escreveu.

Leia o texto na íntegra aqui.

Confira também, Quem derrubou o avião de Teori Zavascki?