sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Roubo na Caixa favorecia PMDB, chefiado por Temer

Lula Marques

247 - Investigação realizada no âmbito da operação "Cui Bono?" ("A quem beneficia?"), deflagrada nesta sexta-feira 13 pela Polícia Federal, aponta que o PMDB, de cujo comando Michel Temer só se licenciou em abril deste ano, quando assumiu a presidência da República após o golpe contra Dilma Rousseff, era o destino das propinas obtidas em um esquema na Caixa Econômica Federal.


Segundo o Ministério Público Federal e a PF, Geddel Vieira Lima, ex-ministro e ex-braço direito de Temer, e Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara, cobravam propina de empresários para liberar crédito no banco. O esquema aconteceu, de acordo com relatório da PF, pelo menos entre 2011 e 2013. Na época, Geddel ocupava o cargo de vice-presidente de Pessoa Jurídica da instituição, e Cunha era deputado.

"Os diálogos não deixam dúvidas de que Geddel Vieira Lima e Eduardo Cunha buscavam contrapartidas indevidas junto às diversas empresas mencionadas ao longo da representação, visando à liberação de créditos que estavam sob a gestão da vice-presidência de Geddel", escreveu o procurador Anselmo Henrique Cordeiro Lopes.

"Os valores indevidos eram recebidos por meio das empresas de Lucio Bolonha Funaro e possivelmente por outros meios que precisam ser aprofundados, tendo como destinação o beneficiamento pessoal deles ou do PMDB", diz ainda o procurador.


Confira também, Fernando Morais: Globo é quem governa o Brasil