quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Vereador do MBL mostra a que veio: fim das cotas e da consciência negra

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

São Paulo 247 - Apenas três dias após tomar posse como vereador de São Paulo, Fernando Holiday (DEM),disse que pretende apresentar projetos propondo o fim do Dia da Consciência Negra, comemorado no dia 20 de novembro, e o fim das cotas raciais em concursos públicos municipais da capital paulista.

Eleito com pouco mais de 48 mil votos, o ativista do Movimento Brasil Livre (MBL), um dos movimentos que deu suporte ao impeachment da presidente eleita Dilma Rousseff, já havia publicado, em novembro passado, um post nas redes sociais afirmando considerar "um absurdo " a comemoração do Dia da Consciência Negra que "homenageia um homem assassino escravista". A data foi escolhida em homenagem à morte de Zumbi dos Palmares, líder do Quilombo dos Palmares, considerado um símbolo de resistência contra a escravidão no Brasil.

"Vou ter propostas de várias frentes, algumas delas mais polêmicas, como propor o fim das cotas raciais em concursos públicos municipais em São Paulo. É um debate que há muito tempo venho encampando, contrário às cotas porque acredito que elas reforçam o machismo ao invés de ajudar os negros. Vou propor a mudança da justificativa do Dia da Consciência Negra, que é um feriado complicado, que muitas vezes por atrapalhar esse combate (contra o racismo)", justificou Holiday na TV Câmara.

Ele também defende a proibição de homenagens em sessões solenes a personalidades consideradas por ele como ditadores ou genocidas ou "ou qualquer personagem ou fato histórico que tenha atentado contra os direitos humanos e a liberdade em algum momento da história", como o líder revolucionário cubano Fidel Castro.

Dentre outras propostas, Holiday disse, ainda, que pretende apresentar propostas que revogue a burocracia que possa atrapalhar os microempreendedores e o microempresários da periferia, "que hoje sofrem com uma série de papeladas e processos burocráticos para montar seu próprio negócio ou contratar alguma pessoa".

Confira também, Gleisi Hoffmann desmascara golpistas em 2016