segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Dilma pode se candidatar ao Senado em Minas e tirar vaga de Aécio em MG


Segundo o deputado federal Ênio Verri (PT-PR), Dilma quer um espaço para continuar "denunciando o golpe contra o seu mandato, à democracia brasileira, às políticas sociais" e para propor projetos alternativos ao conduzido por Michel Temer.


Verri é um dos parlamentares mais próximos da ex-presidente e tem acompanhado o gradual retorno de Dilma à vida pública. Ela, que à época do impeachment se dizia "cansada" e, mesmo com os direitos políticos preservados, se recusava a voltar à política parece estar disposta a testar novamente o capital político nas urnas.




"A presença da presidente Dilma como candidata pelo Rio Grande do Sul para deputada federal ou senadora faria uma diferença muito positiva para nossa chapa e também para o Brasil […]. Afinal de contas, temos a obrigação de apresentar um projeto alternativo ao Temer e ao mercado financeiro mundial que financia tanto seu governo. Então o papel da presidente Dilma seria muito importante", afirmou Ênio em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil.

Ainda de acordo com Verri, o Senado deveria ser a opção da ex-presidente ao lançar a candidatura. Na opinião do parlamentar, o embate na Câmara é rápido e "torna o debate sobre o Brasil mais superficial" e a Alta Casa do Legislativo é mais adequada ao peso político de Dilma. 


Confira também, A Globo escondeu Transposição do São Francisco

"Acredito (que ela deva optar) pelo Senado, tem um número menor de participantes, tem um tempo maior para fazer debates do país. O Senado é um espaço adequado para uma pessoa do estofo da presidente Dilma para ela trazer aqui seus projetos e continuar denunciando o que está acontecendo no Brasil no dia de hoje", afirmou.

Trajeto político

O caminho até a efetivação de uma possível candidatura de Dilma, no entanto, passa necessariamente pela convenção nacional do PT, que acontece em junho deste ano. Nesta altura, o partido pretende oficializar Lula como candidato à presidência em 2018 e a ex-presidente será empossada no Conselho da Fundação Perseu Abramo, braço político e social do PT composto por pensadores e professores universitários.