sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Entrou uma mula na suruba do golpe. Yunes implode governo Temer

Suruba

Por Carlos Fernandes - Que a política brasileira sempre foi um antro de imoralidade, corrupção, permissividade, balbúrdia e sacanagem propriamente dita não é novidade pra ninguém, mas as indecências das relações promíscuas que adornam o governo ilegítimo de Michel Temer desceram a níveis tais que fariam corar de vergonha o próprio Marquês de Sade.


Verdade seja dita, desde que Romero Jucá – o porta-voz informal da baixaria Temeriana – classificou como “suruba” a pornografia institucionalizada do foro privilegiado, ficou cada vez mais clara a forma que devemos entender todo o movimento que se organizou para criar as condições necessárias para a deposição da ex-presidente Dilma Rousseff.




Consumado o golpe e seguindo o mesmo script, não por acaso a sabatina extra-oficial do mais novo membro do STF, o advogado de facções criminosas e plagiador compulsivo Alexandre de Moraes, se deu num “love boat” na companhia de meia dúzia de políticos investigados e sabe-se lá mais quais digníssimas personagens.

Tudo isso já seria material mais do que suficiente para um roteiro destinado a uma pornochanchada de quinta categoria, mas eis que antes da tradicional libertinagem carnavalesca começar, surge uma “mula involuntária” na cozinha do Palácio do Planalto.


Confira também, Alckmin faz propaganda com obra de Lula no Rio São Francisco

Trata-se de ninguém menos do que o melhor amigo de Michel Temer e ex-assessor especial da presidência da República, o empresário e agora aspirante a ator principal, José Yunes.

Em entrevista concedida à revista Veja, uma das principais responsáveis pela orgia política na qual o Brasil se afundou, Yunes abate um dos mais poderosos articuladores do governo Temer, o não menos indecoroso ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Segundo Yunes, ele teria sido usado por Padilha para intermediar (daí o termo “mula”) a entrega de um envelope destinado ao ministro cujo remetente seria o doleiro Lúcio Funaro apontado pelos investigadores da operação Lava Jato como operador do ex-deputado Eduardo Cunha, sempre ele.

A história toda refere-se ao famoso pedido de R$ 10 milhões feito por Michel Temer a Marcelo Odebrecht para financiar, via caixa 2, campanhas de políticos do PMDB.

Pela delação premiada do engenheiro da Odebrecht, Claúdio Melo, do valor solicitado por Temer, R$ 6 milhões seriam repassados para Paulo Skaf (aquele do pato da Paulista) e o restante, R$ 4 milhões, para o honorável Eliseu Padilha distribuir entre os seus. Desses, R$ 1 milhão, ainda segundo Cláudio Melo, seria o conteúdo do tal envelope.

E assim estamos. Um presidente ilegítimo e atolado em denúncias de corrupção a, desculpem o termo, fuder com os direitos sociais e trabalhistas dos brasileiros enquanto a nata do golpe parlamentar que ora usufrui do poder tenta, de um jeito ou de outro, tirar o seu da reta.

Ironia das ironias, tramita no Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 6.449/2016 de autoria do deputado Marcelo Aguiar (DEM-SP) que visa barrar todo e qualquer conteúdo sexual na internet. Segundo o coitado, a idéia é evitar “um aumento no número de viciados em conteúdo pornô e na masturbação”.

Diante o que está acontecendo diariamente no país à luz do dia sob a batuta do próprio presidente da República, só tenho uma coisa a dizer ao excelentíssimo deputado: sabe de nada, inocente.