quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

O nível dos sabatinadores de Alexandre de Moraes simbolizado em um patético senador


Por Pedro Breier, colunista do Cafezinho


Um dos ilustres senadores que está sabatinando Alexandre de Moraes é Lasier Martins, que recentemente se desfiliou do PDT ante a iminente expulsão que sofreria após votar a favor da PEC da Morte.




Lasier trabalhou na RBS, afiliada da Globo no Rio Grande do Sul, de 1986 a 2013, quando saiu da empresa para concorrer ao Senado. Durante a maior parte deste período ele foi comentarista de política do ‘Jornal do Almoço’, o telejornal que, presumivelmente, é acompanhado por boa parte dos gaúchos durante o seu almoço.

Os comentários diários de Lasier eram um festival de senso comum conservador (o seu ápice de reconhecimento como analista político é o momento em que leva um choque quando cobria a Festa da Uva de Caxias do Sul).


Confira também, Lindbergh questiona e Alexandre de Moraes mente em sabatina

Mas a exposição diária ao público por quase 30 anos fez com que Lasier fosse eleito um dos 81 Senadores da República em 2014, sem nunca ter exercido qualquer outro cargo público anteriormente.

Lasier Martins não tem, obviamente, a mínima qualificação para exercer um cargo eletivo da importância do de senador, e esta inaptidão absoluta para o cargo que exerce foi cabalmente comprovada na semana passada.

Lasier foi um dos signatários da PEC 3/2017, que estende a “blindagem” do presidente da República quanto a investigações sobre fatos anteriores ao seu mandato aos presidentes da Câmara e do Senado. Leiam o patético relato de Lasier Martins sobre o seu endosso à referida PEC – publicado (que bela ironia!) em um blog da RBS, sua gestora, digamos assim:

Ao blog Cenário Político, Lasier confessou que assinou o documento sem ler, a partir de um pedido de uma funcionária. “Eu estava na primeira fila quando chegou uma moça pedindo a assinatura. Pela primeira vez, assinei sem ler. Estava ali uma porção de gente do PSDB, imaginei que fosse um projeto sério”, disse.


O senador acrescentou que foi avisado por Randolfe Rodrigues (REDE), mais tarde, sobre o conteúdo da proposta, mas aí “já era tarde demais”.
“Quando terminou a sessão, o Randolfe me perguntou por que eu tinha assinado, e eu corri para tentar tirar a assinatura. Quando cheguei lá ja tinha sido registrada”, contou.

Em entrevista ao Timeline Gaúcha nesta manhã, Lasier disse que aprendeu uma “grande lição”, de não assinar nada sem antes saber do que se trata.
“É evidente que cometi erro grosseiro de assinar sem ler. Espero que acreditem em mim”.


“Estava ali uma porção de gente do PSDB, imaginei que fosse um projeto sério”.


É concebível um senador da República assinar um Projeto de Emenda Constitucional – se trata de alterar a Constituição do país, repararam? – sem ler e ainda se justificar dizendo uma, como falam os gaúchos, barbaridade deste nível? Parabéns aos responsáveis pela eleição desta nulidade.

Aliás, não sei o que é pior, assinar uma PEC sem ler ou associar uma porção de gente do PSDB a algo sério.

“Lasier disse que aprendeu uma “grande lição”, de não assinar nada sem antes saber do que se trata”. É até difícil comentar uma frase como essa. É surrealismo demais até para os níveis da política brasileira.

Pois esta figura grotesca é um dos dos senadores responsáveis por avaliar se Alexandre de Moraes detém os requisitos para ser ministro do STF.

Este é o nível da coisa. O plagiador e seus avaliadores se merecem.