quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Senador Dalirio (PSDB-SC) quer diminuir reajuste do piso do Magistério e mais duas categorias

Cada político escolhe o lado que prefere defender.


O senador Dalirio Beber (PSDB) está propondo um projeto de lei que dá ao gestor público – municipal ou estadual – a prerrogativa de definir o índice de reajuste para algumas categorias que tem piso definido nacionalmente, como professores, agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias.



O objetivo do senador é nobre, não desajustar as contas públicas. De acordo com ele, estas categorias recebem reajustes acima da inflação. Em 2017, o piso nacional dos professores, por exemplo, é para ser reajustado, de acordo com a Lei Federal 11.738/2008, em 7,64%, ou seja, 1,35% a mais do que a inflação oficial de 2016. Se projeto de Dalirio já estivesse em vigor, estes profissionais teriam direito a 6,29%.

[VÍDEO] Karnal: Quem são os que protestam contra a corrupção? 

Pela regra atual, a correção do piso está ligada à variação no valor anual mínimo por aluno definido nacionalmente pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb)

Mais uma vez a crise econômica brasileira sobra para o trabalhador, em especial do da educação. Até o senador Hélio José (PMDB-DF), relator da Comissão de Assuntos Econômico do Senado, onde tramita o projeto, reconhece que a medida poderá “representar perda de poder aquisitivo de servidores, uma vez que o reajuste poderá ser menor que a inflação acumulada. Mas ele já deu parecer favorável, por entender que “a medida é necessária devido ao quadro atual de recessão”.

Cortar mordomias de políticos, cargos comissionados, aposentadorias especiais e outras regalias ninguém propõe. Mas para o trabalhador…

Foto: Senado Federal
Segue, na íntegra, o release enviado pela assessoria do senador Dalirio Beber.

Dalirio apresenta projeto para flexibilizar regra de reajuste anual de pisos salariais, a fim de equilibrar contas públicas

O reajuste anual dos pisos salariais nacionais, como o do magistério público da educação básica, poderá conter mecanismo para impedir o desequilíbrio das contas públicas.

O objetivo do Projeto de Lei do Senado (PLS) 409/2016, do senador Dalirio Beber (PSDB-SC), é dar ao gestor público a opção de reajustar os salários pela inflação acumulada dos últimos 12 meses ou pela taxa de crescimento das receitas tributárias próprias somadas às transferências oficiais recebidas no exercício anterior.

O texto, que tramita na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), permite que União, estados e Distrito Federal optem por reajustar os pisos salariais pelo menor desses índices. A proposta também estabelece que a opção do gestor público não poderá acarretar a redução dos valores nominais, de forma a garantir o princípio da irredutibilidade dos salários.

Após a votação na CAE, a proposta será enviada para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), onde receberá decisão terminativa.
Desequilíbrio financeiro

Dalirio afirma que a crise econômica tem provocado desequilíbrio financeiro de estados e municípios, que tiveram drástica redução de receitas. Ele argumenta que sua proposta permitirá que os entes flexibilizem algumas de suas despesas, ajustando-as às variações nas receitas.

“Entre os maiores obstáculos encontrados, principalmente, pelos prefeitos e governadores para equilibrar as contas públicas estão as dificuldades relativas ao pagamento de salários daquelas categorias de servidores que têm piso salarial fixado em nível nacional, como os profissionais do magistério público da educação básica, os agentes comunitários de saúde e os agentes de combate às endemias”, afirma Dalirio Beber na justificação de seu projeto.

Como exemplo, o senador cita o piso salarial nacional dos profissionais do magistério público da educação básica. Pela regra atual, a correção do piso está ligada à variação no valor anual mínimo por aluno definido nacionalmente pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Segundo Dalirio, essa regra tem feito com que o reajuste desse piso fique acima da inflação e acima do aumento das receitas dos entes federados.

Com o projeto, o senador quer condicionar a correção dos pisos salariais à taxa de crescimento nominal da soma das receitas tributárias próprias com as transferências recebidas pelo respectivo ente. Esse cálculo será usado caso seja inferior à taxa de inflação. Caso contrário, o reajuste será feito pela inflação acumulada, de acordo com o IPCA do IBGE.
Receitas próprias e transferências

O objetivo dessa regra, explica Dalirio, é vincular a política de correção dos pisos salariais às receitas próprias e às transferências recebidas de livre destinação e de menor volatilidade ao longo dos anos. Assim, não serão levadas em conta, por exemplo, as receitas da contribuição social do salário-educação, por estarem vinculadas apenas ao financiamento de programas, projetos e ações do ensino fundamental no âmbito estadual e municipal, e as receitas de royalties e de participação especial oriundas da exploração do petróleo, por serem altamente dependentes da produtividade dos poços petrolíferos e da cotação do real brasileiro frente ao dólar norte-americano.

“Acreditamos que a implementação dessa nova regra de reajuste dos pisos salariais nacionais deve contribuir para uma recomposição mais rápida do equilíbrio das finanças públicas dos estados e municípios, de forma que possamos colocar o Brasil de volta à trajetória de crescimento econômico sustentável”, afirma o senador tucano.

O relator do projeto na CAE é o senador Hélio José (PMDB-DF), que já apresentou parecer favorável à aprovação. Ele reconhece que a adoção de tal medida poderá representar perda de poder aquisitivo de servidores, uma vez que o reajuste poderá ser menor que a inflação acumulada. Ele afirma, porém, que a medida é necessária devido ao “quadro atual de recessão”.

“Consideramos justo e necessário que o esforço neste ajuste da economia também conte com os servidores. Desse modo, pela conjuntura atual em que se encontra o país e pela situação de crise fiscal em que se encontram vários estados e municípios, consideramos que o PLS deve prosperar”, afirma Hélio José em seu relatório.