segunda-feira, 13 de março de 2017

Moro põe sigilo em depoimento de Emílio Odebrecht que inocentou Lula e Palloci, só que já está no Youtube



Sigilo é uma coisa que só é mantida quando interessa, na Justiça brasileira.

O depoimento de Emílio Odebrecht, hoje, ao juiz Sergio Moro, foi colocado sob sigilo judicial, por decisão do magistrado.


Só que o depoimento “sigiloso” está no Youtube, para quem quiser assistir, veja abaixo.

Emílio diz que o financiamento – oficial e extra-oficial – a campanhas políticas “sempre existiu”.




-Desde a minha época, da época do meu pai e também de Marcelo [Odebrecht]”

O que não é novidade para qualquer repórter político de mais de 20 anos e um mínimo de informação sabe.

Odebrecht não agrega um grama à versão de que houve pagamentos a Antonio Palocci, apenas de que houve contribuição não declarada ao PT e a todos os partidos (“ou a gente não contribuía para ninguém, ou para todos”) e negou ter tratado disso com o ex-ministro.

Depondo como testemunha do filho, não disse em momento algum que ele foi achacado, extorquido ou chantageado para pagar propinas.

Disse que está afastado das funções executivas há tempos, mas isso é inacreditável, não apenas porque é o dono da empresa como presidente de seu Conselho de Administração.

Pelo teor de seu depoimento, é muito difícil que venha dele algo contra Lula, muito menos algo de objetivo.

Sob juramento e risco de perder o acordo de delação, perguntado se alguém do alto escalão do governo lhe pediu algum tipo de dinheiro, foi taxativo: “a mim, não”. O que atinge em cheio esta conversa de querer que Lula seja incriminado como “amigo do seu [de Marcelo Odebrecht] pai”.

Odebrecht sabe como se joga o jogo da política empresarial no Brasil e que não é assim que se processa o financiamento dos partidos.

Agora, o depoimento “sigiloso” no Youtube mostra que a vara do Dr. Moro é uma peneira, quando se trata de promover seus interesses.