quarta-feira, 8 de março de 2017

Neste dia internacional da mulher, lembre-se como foi tratada a primeira presidenta mulher do Brasil

A imagem pode conter: 2 pessoas, texto


Meu Professor de História - "Os modos de desqualificar ou criticar o trabalho de uma mulher que ocupa posição de poder, neste caso a presidência da República, retratam uma face permeada por construções histórias e culturais relativas ao gênero. Marcia Veiga da Silva (2014) relembra que é através da linguagem que se instituem significados aos gêneros e que se demarcam os lugares de cada um na sociedade. 


As adjetivações diferenciadas atribuídas aos sujeitos femininos e masculinos não servem apenas para transmitir e expressar relações de poder, mas também ajudam em sua produção e instituição (Guacira Lopes LOURO, 1999).


Nessa direção, Joan Scott afirma que o uso do termo gênero é importante "como uma maneira de referir-se à organização social da relação entre os sexos" (Joan SCOTT, 1995, p. 72) e o conceitua a partir de duas proposições centrais, o qual pode ser tanto um elemento constitutivo de relações sociais baseadas nas diferenças percebidas entre os sexos, quanto uma forma primária de dar significado às relações de poder. 

Confira também, Como o mentiroso (Aécio Neves) é desmascarado

Assim, o estudo do gênero como categoria de análise propicia uma reflexão "sobre os modos como as convenções sociais sobre o masculino e o feminino são produzidas, associadas a distintas formas de relações de poder e os modos como estas convenções produzem hierarquias e desigualdades" (Marcia VEIGA DA SILVA, 2014, p. 480).

Considerando a linguagem caminho profícuo para compreender como o masculino e o feminino são dotados de sentidos e como seus reflexos cristalizam e reiteram determinadas relações de poder e saber na sociedade, este artigo propõe-se a analisar os comentários das postagens das notícias intituladas "Após protestos, Dilma diz estar disposta a 'dialogar com todos, com humildade'"3 e "'A corrupção é uma senhora idosa', diz Dilma após os protestos"4, divulgadas no dia 16 de março de 2015 na página da Folha de S. Paulo no Facebook. 

O objetivo deste estudo é identificar e mapear os núcleos de sentido presentes nos 1.158 comentários de caráter ofensivo dirigidos à presidenta e analisar aqueles estritamente ligados a questões de gênero. O mapeamento e a análise serão realizados por meio da Análise do Discurso, especialmente a partir do conceito de paráfrase (Eni ORLANDI, 2007), ancorando-se nos estudos feministas pós-estruturalistas que consideram gênero como categoria de análise (SCOTT, 1995)."

Continue lendo:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2016000300679