sábado, 15 de abril de 2017

Emílio Odebrecht: “Por que não fizeram isso há 10, 15, 30 anos?”


Revista Fórum - O empresário Emílio Odebrecht, ao qual analistas e imprensa se referem como “patriarca” da empreiteira considerada um dos grandes alvos da Operação Lava Jato, afirmou em depoimento a procuradores da República, em Brasília, que a mídia sempre soube dos fatos hoje denunciados como escândalo. Ele manifestou perplexidade e “tristeza” com a dimensão dada às revelações, que, graças aos elos estabelecidos com a Petrobras, serviram de combustível para o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff e continua a alimentar a crise política.


“O que me entristece (…) é que a imprensa toda sabia que efetivamente o que acontecia era isso. Por que agora estão fazendo isso? Por que não fizeram isso há 10, 15, 30 anos?”, questionou Odebrecht. “A imprensa sabia disso e agora fica com essa demagogia.”




Segundo ele, as informações divulgadas a partir das investigações da Força Tarefa estão longe de ser novidade e são conhecidas de políticos, empresários e imprensa há 30 anos.

Confira também, Aécio Neves: O vídeo que está chocando a internet

“O que me surpreende é quando vejo todos esses poderes, até a imprensa, todos como se fosse uma surpresa. Me incomoda isso. Não exime em nada nossa responsabilidade. Não exime em nada nossa benevolência. Não exime em nada que nós praticamente passamos a olhar isso com normalidade. Porque em 30 anos, é difícil não ver isso como normalidade”, disse Odebrecht. De acordo com o depoimento do empresário, as práticas que hoje são sinônimo de crime eram um “negócio institucionalizado” no país.

Iniciada em março de 2014, a Lava Jato é considerada por diversos analistas um catalisador da grave crise econômica e política brasileira e responsável por iniciar a destruição da indústria naval do Brasil.

Memória técnica
Em seminário realizado em São Paulo ainda no final de 2014, o economista Luiz Gonzaga Belluzzo já alertava para os riscos de se comprometer os investimentos no país, fundamentais para a então esperada retomada de um crescimento econômico a médio prazo. “Tem de separar as malfeitorias e punir. Tem de substituir a direção das empresas e preservá-las. Porque não se vai reinventar de repente uma grande construtora que participou, por exemplo, de Itaipu e outras grandes obras. Você não vai substituir a memória técnica dessas empresas por outra que se vai inventar na hora”, afirmou na ocasião.

A destruição da indústria naval brasileira começou com a Operação Lava Jato em 2014. No segundo mandato do governo Dilma Rousseff, o setor empregava 83 mil trabalhadores. Depois da crise, com o agravamento da recessão, são pouco mais de 30 mil.

Em debate na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, há um ano, o jurista Gilberto Bercovici e o jornalista Luis Nassif também discutiram o tema com abordagem semelhante. “Ninguém é contra combater a corrupção, mas não se pode violar direitos e garantias individuais, nem se pode punir empresas no lugar de punir pessoas”, afirmou Bercovici, professor de Direito Econômico da Universidade de São Paulo (USP), no evento.