sexta-feira, 14 de abril de 2017

Odebrecht pagou 50 milhões de reais para Cunha sabotar Dilma



Tijolaço - Começam a aparecer os sinais de que a Odebrecht se meteu numa conspiração com a turma do PMDB, capitaneada por Michel Temer e Eduardo Cunha, para detonar a autoridade política de Dilma Rousseff na presidência.


Fica-se sabendo, por uma pequena nota no Valor, de uma pequena pérola de R$ 50 milhões , não mencionados por Marcelo Odebrecht, dados pela empreiteira a Eduardo Cunha para que comprasse apoio para minar a posição de Dilma Rousseff, contrária à entrada de Furnas no negócio da Hidrelétrica do Jirau, em Rondônia, em 2009.


““Doutor Marcelo [Odebrecht] me deu o número de R$ 50 milhões para eu colocar na mesa como oferecimento ao doutor deputado Eduardo Cunha para que ele, com esse dinheiro, buscasse o apoio político a critério dele, buscasse distribuir de tal forma que obtivesse o apoio político necessário para neutralizar esta ação, principalmente da Casa Civil”, disse o o ex-presidente da Odebrecht Energia, Henrique Valladares, em sua delação premiada.

Confira também, Aécio Neves: O vídeo que está chocando a internet

A Casa Civil, à época, era comandada por Dilma Rousseff.

Repare bem, a Odebrecht pagaria (ou pagou) a Eduardo Cunha R$ 50 milhões para sabotar a posição de Dilma Rousseff.

Isso é coisa de quem é “amigo” da ex-presidente? Ou de quem acertava negócios às suas costas e, depois, no máxim, saía pela tangente, como no caso do contrato com a Petrobras que ele narrou ontem, curiosamente o mesmo que motivou a reunião, presidida por Temer, para o achaque de US$ 40 milhões (R$126 milhões).

Juntem as histórias, senhoras e senhores, e vejam porque Graça Foster e Dilma Rousseff estavam de cabelo em pé com os boatos e qual a razão de Odebrecht ter mandado fazer chegar aos ouvidos de Michel Temer que a ex-presidenta estava querendo saber se seu vice “metera a mão”?

Não nego a possibilidade de que alguém do PT, como disse Odebrecht, tenha entrado no negócio e, amadores como são perto da turma do PMDB, tenham levado alguma “merreca” – Odebrecht não menciona o valor – para entrar na lambança e ficar enlameado.