quinta-feira, 27 de abril de 2017

Temer fez reunião ontem à noite para punir quem votou contra a Reforma

Resultado de imagem para Temer políticos

Exemplar Encerrada a votação do texto base da reforma trabalhista, o governo avisou aos líderes de partidos aliados que haveria reunião na tarde desta quinta (27) no Planalto. A pauta: infidelidade e exonerações.


Passou DEM e PSDB foram os mais fiéis. No PSB, que disse ter fechado questão contra, 14 dos 30 deputados que votaram foram a favor. Aliados de Temer ficaram irritados com o Pros, que tem cinco parlamentares, quatro contra a reforma.




Só no apito final Representantes de setores do empresariado tentaram incluir emendas no relatório de Rogério Marinho (PSDB-RN) sobre a reforma trabalhista mesmo depois que a sessão da Câmara foi aberta.

Confira também, Aécio Neves: O vídeo que está chocando a internet

Vai que cola Um funcionário da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) pediu aos deputados que trabalhassem para deixar mais claro o trecho que estabelece um limite de tempo para a tramitação de um processo trabalhista.

Para deixar claro Embora a força-tarefa da Lava Jato tenha conseguido influenciar o texto final do projeto de abuso de autoridade, procuradores de Curitiba pediram a senadores próximos que votassem contra a proposta no plenário do Senado.

Meio vazio O procurador Deltan Dallagnol viu “grande conquista” em comparação com o que poderia ter sido aprovado, mas disse que alguns trechos do projeto ainda podem prejudicar o Ministério Público e o Judiciário.


Sai o vermelho Prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando (PSDB) vistoriou as obras do Museu do Trabalho e do Trabalhador, conhecido como Museu do Lula. Quando a Justiça liberar, disse, vai instalar uma Fábrica de Cultura no local, uma marca dos tucanos.