quarta-feira, 3 de maio de 2017

SBT faz terrorismo para aprovar a Reforma da Previdência de Temer e PSDB



Do Esquerda Diário - Depois de Michel Temer ter pedido ajuda ao empresário Silvio Santos para defender a reforma da previdência, o SBT resolveu fazer algumas propagandas defendendo este brutal ataque contra os trabalhadores e os demais setores da sociedade. O SBT alega que se a reforma da previdência não for aprovada, o Brasil vai quebrar e não vai pagar as contas. Na outra propaganda, o SBT chega ao absurdo de dizer que, se a reforma da previdência não for aprovada, os trabalhadores ficarão sem salário.


Michel Temer e a grande imprensa sabem muito bem que a reforma da previdência é uma medida impopular e, apesar de todas as manobras feitas contra a greve geral que ocorreu no dia 28, a mobilização contou com adesão e apoio da maioria da população. Frente a este cenário, vale tudo pra convencer os trabalhadores a pagarem pela crise econômica que o país está passando, até mesmo apelar para os métodos mais espúrios.


O que o SBT não conta na sua propaganda é que são uma empresa que fatura milhões, tanto é que Silvio Santos é um grande vive muito bem em seu luxo conquistado com a exploração alheia. É expropriando a fortuna dos grandes capitalistas como Silvio Santos, mas também os privilégios de políticos como Michel Temer, que vamos fazer com que o país saia da crise econômica em que se encontra.

Confira também, Aécio Neves: O vídeo que está chocando a internet

É um absurdo que o SBT fale em rede nacional que os trabalhadores vão ficar sem salário caso a reforma da previdência não seja aprovada. Se depender dos grandes capitalistas, se os ataques de Temer não forem aprovados, são capazes de tirar até o sustento básico do trabalhador. Fazem este tipo de absurdo porque Silvio Santos e outros empresários que estão por trás do SBT pouco se importam com os trabalhadores.

É preciso fazer com que empresários e políticos temam a força dos trabalhadores. O dia 15 de março e o dia 28 de abril tem que servir como um importante passo para a construção de uma greve geral por tempo indeterminado. Ao contrário do que vem fazendo a CUT e a CTB, o dia 28 demonstrou que não pode ter mais espaço para trégua com os golpistas. Por isso defendemos a construção de um encontro nacional de delegados eleitos pela base que exija das centrais sindicais um plano de lutas para continuidade da luta.