domingo, 11 de junho de 2017

Operação mostra a influência de Cunha sobre juízes, Procuradores e Ministros


Grampos da Polícia Federal na operação Manus, um desdobramento da Lava Jato, mostra que Eduardo Cunha e Henrique Alves agiram no Superior Tribunal de Justiça, Tribunal Superior do Trabalho, Procuradoria Geral da República e Tribunal Regional Federal da 5ª Região (que, inclusive, julgará essa investigação contra os ex-deputados) para atender os interesses da OAS.


Segundo o procurador Rodrigo Teller, a análise de telefonemas e mensagens mostra conexão entre Cunha e Alves – preso nesta semana pela PF – aos terminais usados pelo ministros Ari Pargendler, Gilson Dipp e Benedito Gonçalves, todos do STJ.


No Tribunal do Trabalho, Alves teria contato com o ministro Emmanuel Pereira, cujo chefe de gabinete, Luiz Cláudio Gonçalvez, teria sido acionado para tratar de assunto de interesses da empreiteira. Na OAS, a interlocução com Cunha era feita pelo diretor jurídico Bruno Brasil.

Confira também, Fora de controle, Gilmar Mendes recebe resposta de Herman Benjamin

Uma das mensagens interceptadas pela PF mostra Cunha dizendo a Leo Pinheiro que precisa conversar com ele sobre ação do TRF relacionada a “Recife”, envolvendo FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), além da eleição em Natal e Rio.

Outra evidência colhida no grampo diz respeito ao ministro Emmannoel Pereira. Seu filho, Erick Wilson Pereira, teria sido usado por Leo Pinheiro para “tratar de tema da alçada do TRF-5”, mostra uma conversa do ex-sócio da OAS com Henrique Alves. O MPF tem registro de 118 contatos trocados entre Pereira, Henrique Alves e Eduardo Cunha.

Além disso, há 25 ligações dos terminais de Alves e Cunha para Emmanoel Campelo de Souza Pereira, outro filho do ministro do TST, nomeado para o Conselho Nacional de Justiça entre 2012 e 2016, pela Câmara dos Deputados.
Procuradores, os envolvidos negaram as acusações ou não quiseram comentar – caso do STJ. As informações são do Valor.