terça-feira, 27 de junho de 2017

Temer orientou Cunha a derrubar todos projetos de Dilma e deixar governo travado para derrubá-la

Resultado de imagem para Cunha Temer

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que a Casa já “derrubou o governo” e que não será votado qualquer projeto enviado pelo governo Dilma Rousseff, como o projeto que renegocia a dívida dos estados e do Distrito Federal, enviado ao Congresso em março. “A não ser que seja para derrubar”:



— Acho que não vai ser votado nenhum projeto do governo aqui, a não ser que seja para derrubar.

Ele também disse que os deputados não devem participar de uma sessão do Congresso Nacional para apreciar alterações na meta fiscal de 2016. Caso ela não seja apreciada pelo Congresso até o dia 22 de maio, segundo integrantes da equipe econômica do governo, será preciso fazer um novo contingenciamento de gastos que vai paralisar a máquina pública, o chamado shutdown.


E voltou a defender que o Senado dê celeridade ao julgamento do processo de impeachment.

— Então o Senado deveria votar rapidamente, porque a Câmara dificilmente vai participar de uma sessão do Congresso Nacional para votar esse projeto.

Perguntado se a votação não deveria ocorrer já de olho num governo do vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP), Cunha deu de ombros:

— Não importa, é uma questão política, é um projeto vindo do governo mudando a meta. Não há condição política de votar um projeto desse, não se votará. Se o Brasil vai entrar em shutdown por isso, então mais uma razão para o Senado apressar.

Para o presidente da Câmara, a ‘Câmara já derrubou o governo’.
— Para o país, essa postergação (no Senado) vai causar muitos prejuízos porque, na verdade, a Câmara derrubou o governo. A Casa já fez sua parte da avaliação, então para a Câmara não tem governo, ficou um meio governo. O Senado tem o direito até de rever a decisão da Câmara. Mas, enquanto o Senado não rever, a decisão política prevalecendo para a Câmara é a que ela proferiu — disse, chamando Dilma de “ainda presidente”.

— O que vai acontecer a partir da semana que vem é que temos uma ainda Presidente da República e ninguém vai reconhecer absolutamente nada para efeito de matérias. É uma paralisia do Congresso Nacional até o Senado decidir — afirmou Cunha.