sexta-feira, 14 de julho de 2017

Em 48 horas condenam Lula, acabam com direitos trabalhistas, soltam Geddel e salvam Temer


Blog da Cidadania - Os golpistas atentaram contra o país por três vezes em menos de 48 horas.


Na terça-feira 11 de julho, uma dita “reforma trabalhista” promoveu um ataque inédito aos direitos dos trabalhadores do país, aprovando barbaridades como permissão para que empregadores coloquem mulheres grávidas para trabalhar em ambientes insalubres.

Na quarta-feira 12 de julho, o juiz Sergio Moro, como estava previsto, condenou o ex-presidente Lula a nove anos de prisão com base, exclusivamente, nas acusações de pessoas que se não tivessem acusado o ex-presidente ficariam presas pelo resto da vida.


Na quinta-feira 13 de julho, seguindo a regra que vem prevalecendo no país de endurecimento com petistas e amaciamento com golpistas, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados já preparou a cama para Michel Temer se deitar confortavelmente.

A CCJ rejeitou nesta quinta-feira 13 o parecer do relator Sergio Zveiter (PMDB-RJ), que era a favor da autorização de que a denúncia por corrupção contra o presidente Michel Temer possa ser julgada pelo STF.

Assim como havia feito na votação do Impeachment na Câmara, o deputado Wladimir Costa (SD-PA) comemorou o resultado soltando confetes. Desta vez, ele gritou repetidamente “fica, Temer”.

A maioria de votos na CCJ foi conseguida após uma intensa troca de membros da comissão por partidos aliados do governo, que substituíram seus representantes em busca de votos favoráveis a Temer. Desta maneira, o governo ganha força política para barrar a denúncia.

A correlação entre os fatos é tediosamente previsível. Tudo faz parte do mesmo golpe.

Os golpistas esfregam as mãos, a mídia comemora, mas eles estão se esquecendo de uma coisa: quem vai decidir tudo é o povo no ano que vem. E o povo não é cego, está vendo tudo que está acontecendo.

Pela lógica golpista, o povo não irá reparar na retirada dos seus direitos, apoiará condenação de Lula por Moro sem provas, passando a repudiar o ex-presidente, e, por fim, conformar-se-á com a impunidade de Temer, contra quem há todas as provas que faltam contra Lula.

Eis por que os golpistas estão comemorando antes da hora. Eles não sabem o que o povo achará disso tudo.

Pesquisa encomendada pelo site Poder 360 afirma que 75% dos eleitores não votará em deputado que ficar a favor de Temer, mas os golpistas não estão dando bola a isso.

Na opinião desta página, o povo brasileiro irá frustrar os golpistas, irá se enfurecer com a reforma trabalhista e enxergará que Lula está sendo perseguido enquanto Aécios e Temers ficam impunes e, assim, o apoio ao ex-presidente irá subir.

A única forma de impedir que tudo isso ocorra será adiando as eleições de 2018. Mas, aí, pelo menos ninguém poderia negar mais que o Brasil vive sob uma ditadura. E as consequências disso, ainda que os golpistas não enxerguem, todos sabemos quão graves seriam.