segunda-feira, 10 de julho de 2017

Moro cancela delação de Palocci que incriminou a Globo

Resultado de imagem para moro marinhos

As negociações para a delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci esfriaram muito nas últimas semanas.


O grupo de trabalho da Lava-Jato na Procuradoria-Geral da República está insatisfeito com o material oferecido até agora pelo petista, cuja delação prometia ser bombástica. Essencialmente, os investigadores se decepcionaram com Palocci, que não incriminou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seu depoimento.


Palocci foi preso em setembro do ano passado, durante 35ª fase da Lava-Jato, batizada de "Omertá" - uma referência a origem do codinome "italiano", pelo qual o ex-ministro era chamado por executivos da Odebrecht. Ele foi acusado de receber milhões de reais em propina da empreiteira.

Em maio deste ano, o ex-ministro trocou de advogado e começou a negociar a delação. A expectativa era de que, além de políticos de primeiro escalão, ele revelasse esquemas de corrupção envolvendo o mercado financeiro. O temor sobre essa delação levou bancos e gestoras de recursos a consultarem previamente a Lava-Jato sobre a possibilidade de fechar acordos de leniência. Palocci também citou benefícios à Globo.

No dia 26 de junho, oito meses após sua prisão, Palocci foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 12 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

Ao dar a sentença, Moro afirmou que a proposta de delação do ex-ministro soou mais como "ameaça" a antigos aliados do que como uma intenção verdadeira de celebrar um acordo.