terça-feira, 4 de julho de 2017

Pavio curto, Geddel pode delatar Temer em tempo recorde; aliados estão apavorados


Em sua coluna nesta terça (4), o jornalista Bernardo Mello Franco relata como a prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, amigo pessoal de Michel Temer há mais de 30 anos, caiu como uma bomba no Planalto.


"Solto, Geddel já era visto como um delator em potencial. Preso, ficará mais perto de agravar os problemas de Temer. Ele é conhecido por ter pavio curto e falar demais —duas características apavorantes para quem depende do seu silêncio.

Na ordem de prisão, o juiz Vallisney de Souza Oliveira afirma que o ex-ministro tentava obstruir as investigações da Operação Cui Bono, que apura desvios na Caixa Econômica Federal. Ele atuava para evitar uma delação do doleiro Lúcio Funaro, que o apelidou de "boca de jacaré" por causa da gula para fechar negócios.


Funaro afirmou à polícia que Geddel mordeu R$ 20 milhões em propinas da JBS. Parte do dinheiro teria ajudado a silenciar outro faminto, o ex-deputado Eduardo Cunha, preso em Curitiba. A história combina com o relato de Joesley Batista e deve reforçar uma nova denúncia contra Temer por obstrução da Justiça.

O Planalto teme uma delação do ex-ministro desde janeiro, quando a PF fez buscas na sua casa. Recolhido à jaula, o jacaré terá mais motivos para afiar os dentes."