segunda-feira, 24 de julho de 2017

Procuradores pedem aumento que custará bilhões; Temer vai agradá-los?

Resultado de imagem para raquel dodge e Temer

A menos de dois meses de assumir o comando da Procuradoria-Geral da República (PGR), Raquel Dodge enfrentará amanhã seu primeiro constrangimento com os colegas desde que foi escolhida para o cargo. Integrante do Conselho Superior do Ministério Público, ela terá que se posicionar sobre um pedido de reajuste salarial de 16% para os procuradores.


O pleito foi encaminhado no dia 11 pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), entidade responsável pela lista tríplice que a cada dois anos indica o titular da PGR. Em um documento de 12 páginas, o presidente da ANPR, José Robalinho Cavalcanti, solicita que o aumento de salário seja incluído no orçamento de 2018 do Ministério Público da União.

O problema é a situação financeira do órgão, que tem 80% de seu orçamento atrelado à folha de pagamento dos funcionários. Os 20% restantes, dedicados ao custeio e aos investimentos, perderam recentemente R$ 48 milhões só com a revisão da estimativa para a inflação de 2018, que é parâmetro para o cumprimento do teto dos gastos públicos.

Na semana passada, Rodrigo Janot disse ao Valor que o quadro financeiro da procuradoria é o mais grave que ele já viu desde que ingressou na carreira, há 33 anos. De acordo com Janot, apesar dos cortes de gastos que vêm sendo feitos nos últimos anos, a escassez de recursos para o custeio podem dificultar o andamento das investigações do MP.